Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueMeio Ambiente

Sessenta e oito por cento dos animais selvagens desapareceram do planeta, diz estudo

Mudanças no uso do solo pela agropecuária e tráfico de animais podem deixar o planeta mais vulnerável à novas pandemias. (Foto: divulgação)

Agropecuária é o principal vilão de destruição da vida natural. Na América Latina, situação é apontada como mais crítica com perdas de mais de 90%  de peixes, anfíbios e répteis.

 

Um novo relatório da entidade Fundo Mundial para a Natureza (WWF), divulgado na quinta-feira (10) apontou que população de animais selvagens está diminuindo.  Segundo a ONG, as populações globais de mamíferos, pássaros, anfíbios, répteis e peixes sofreram uma taxa de declínio de dois terços nos números de indivíduos desde 1970.

O estudo, da Living Planet Report 2020, apontou ainda que mudanças no uso do solo e tráfico de animais selvagens, podem deixar o planeta mais vulnerável à novas pandemias. Na América Latina a situação é apontada como mais crítica, com perdas de mais de 90% das populações de peixes, anfíbios e répteis

Os pesquisadores relataram declínios alarmantes de algumas outras espécies do planeta. Populações de elefantes africanos diminuíram 98% entre 1985 e 2010, muito por causa do crescimento da caça em regiões do continente africano

Segundo a pesquisa, cerca de 75% do solo e 40% dos oceanos foram degradados pela ação humana. Para a Sociedade de Zoologia de Londres, os principais vilões são a expansão da produção de carne bovina e monoculturas, como soja e óleo de palma. Em destaque também a crescente destruição da natureza pela humanidade que gera impactos catastróficos não apenas nas populações de vida selvagem, mas também na saúde humana e em todos os aspectos de nossas vidas.

A caça ilegal também vitimou 87% da população de gorilas em reservas orientais da República Democrática do Congo, entre 1994 e 2015. Para chegar aos números, o relatório rastreou 21.000 populações de 4.000 espécies de vertebrados

A pesquisa considerou a diminuição da quantidade de indivíduos dessas populações, e não a extinção de espécies. “As crescentes mudanças climáticas e o despejo indiscriminado de lixo em locais de natureza também acentuam a queda de populações selvagens”, disse Marco Lambertini, diretor-geral da WWF.

Deixe um comentário