DestaqueOrizona

Presídio de Orizona é modelo para o Brasil na ressocialização de detentos

Orizona teve a menor reincidência criminal do estado e 75% dos presos são contemplados pela remição (Foto: Divulgação)

Balanço mostra redução de 33% da sua população carcerária no município por meio de  aplicação de práticas de ressocialização que objetivam trabalho e educação

 

A Unidade Prisional de Orizona (135km de Goiânia) apresentou um balanço em que consta expressiva redução de 33% da sua população carcerária. O especialista em Gestão Prisional e mestrando em Sociologia, Fabrício Bonfim, garante que o principal fator da queda de reincidência criminal se deve a boas práticas de ressocialização que foram implantadas enquanto esteve por dois anos na direção do presídio.

Segundo Bonfim, que foi diretor da Unidade de Orizona de março de 2018 a fevereiro deste ano, há hoje um novo modelo penitenciário que deve ser seguido. Para ele, ações simples como incentivo ao trabalho e à educação são determinantes para que aja reintegração com o resto da sociedade. “Orizona teve a menor reincidência criminal do estado e 75% dos presos são contemplados pela remição”, conta.

Outra inovação implantada na cidade é o fato de que os presos que trabalham na confecção produzem os próprios uniformes e dos servidores prisionais. “Pela primeira vez no sistema prisional de Goiás, presos produzem uniformes para crianças da rede municipal de ensino, o que é algo inédito para nós”, afirma.

Os resultados da Unidade Prisional de Orizona apresenta menor taxa reincidência criminal e apreensão de ilícitos como drogas, celulares e armas. Consta no Registro de Atendimento Integrado (RAI) que não houve nenhuma fuga, rebeliões ou motins, e também sem apreensão de armas durante a gestão de Bonfim. “Diante da falência do sistema penitenciário brasileiro, a experiência apresentada na Unidade Prisional de Orizona, se apresenta como uma alternativa viável e um modelo efetivo de gestão prisional com resultados expressivos”, diz.

Em entrevista, o Delegado de Orizona, Dr. Igor Caneiro, afirmou que na prática houve uma significativa redução da criminalidade na cidade com a implantação de projetos de ressocialização. Atualmente a Unidade Prisional de Orizona recebe presos de Santa Cruz, Palmelo e Cristianópolis.

Especialista em Gestão Prisional e mestrando em Sociologia, Fabrício Bonfim, garante que o principal fator da queda de reincidência criminal se deve a boas práticas de ressocialização (Foto: A.C Volpone.)

Comprometimento com a Unidade Prisional

A Unidade Prisional de Orizona foi inaugurada no dia 27 de janeiro de 2017, e teve como idealizador o Juiz de Direito de Orizona, Dr. Ricardo de Guimarães e Souza. Contou com apoio do Promotor de Justiça, Dr. Joel Pacífico de Vasconcelos, Conselho da Comunidade e participação da Prefeitura Municipal, Câmara de Vereadores, instituições religiosas, maçonaria, empresários e toda a comunidade de Orizona.

Bonfim diz que as parcerias e o comprometimento com a unidade prisional foram elementos fundamentais para que a integralidade das assistências da Lei de Execução Penal fosse efetivada na cidade. “Percebe-se que a maioria das crises nos presídios estão diretamente ligada pela fatos dos direitos não serem respeitados, ocasionando um ambiente de tensão e riscos eminentes”, conta.

Ele conta que no presídio de Orizona ocorreu uma ruptura na tradicional relação entre preso e servidores e seus familiares. Ao estabelecer um ambiente de respeito, quebrar a cultura do medo e terror, as estatísticas de crimes começaram a ser alteradas de forma positiva. “O preso é remunerado, auxiliando a subsistência das suas famílias e cumprindo sua pena com dignidade e respeito da sociedade”, diz.


Unidade Prisional de Orizona em números

-Menor reincidência criminal do estado;

– Redução de 33% (trinta e três por cento) da população carcerária;

– Jamais ocorreu fuga, rebelião ou motim na Unidade Prisional de Orizona, desde a inauguração em 27/01/17;

– Aproximadamente 90% dos presos possuem alguma remição;

– Não há movimentação de dinheiro entre os presos;

– Menor apreensão de drogas ilícitas e celulares do estado;

– Nenhuma arma de fogo apreendida desde a inauguração;

 

Inaugurações

– Primeira Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) dentro de uma unidade prisional em Goiás;

– Confecção industrial com 16 (dezesseis) presos trabalhando;

– Módulo de Respeito implantado;

– Serigrafia;

– Consultório médico;

– Consultório odontológico;

– Sala de aula e informática;

– Horta comunitária;

– Reforma e pintura.

Ações e projetos

– Ação Social com presos do regime semiaberto beneficiários da tornozeleira eletrônica;

– Remição pela leitura;

– Individualização da Pena (presos separados entre condenados e provisórios, periculosidade e comportamento);

– Projeto de drogadição no cárcere;

– Aplicação do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA);

– Educação de Jovens e Adultos (EJA) em fase de implementação.

– Aula de Informática

– Educação física, com atividades recreativas;

– Campanhas e exames de prevenção (DSTS, câncer de próstata, câncer de mama, tabagismo, AIDS);

– Celebração de datas comemorativas;

– Remição pelo trabalho de artesanato;

– Fábrica de artefatos de concreto (a ser implantada);

– Serralheria (a ser implantada).


Por Silvio Soũls, especial para o Click News

Deixe uma resposta