DestaqueMeio Ambiente

ONU destaca Brasil para cuidados com meio ambiente

(Foto: Divulgação/reprodução)

País é citado em relatório que alerta sobre possíveis danos de degradação florestal e colheita insustentável que podem impactar processo de polinização

 

A Organização das Nações Unidas (ONU) emitiu um relatório e colocou o Brasil como destaque sobre a importância de preservar florestas e árvores para promoção da polinização por abelhas e borboletas. No estudo, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), relata que é preciso interromper com urgência a degradação do habitat destas espécies e proteger a biodiversidade por meio de polinizadores selvagens.

O estudo aponta que no Brasil, dos polinizadores, as abelhas são as mais conhecidas com mais de 20 mil espécies. O grupo de polinizadores também inclui moscas, borboletas e mariposas que polinizam 88% das plantas silvestres em todo o mundo em que mais de 70% das culturas alimentares globais se beneficiam desse processo.

O resultado veio após uma série de pesquisas, incluindo estudos que revelam uma conexão positiva entre a diversidade de abelhas e a cobertura florestal no setor do café brasileiro. Os dados informam que há também o forte impacto dos polinizadores que se estende a produtos extraídos da floresta, exceto madeira. Estes incluem a castanha-do-pará, que pode ser afetada pela degradação florestal e a colheita fora dos padrões de sustentabilidade. Produtos de importância econômica como látex, açaí e frutas de palma da Amazônia Ocidental estão em risco.

O documento informa que na Floresta do Araripe, a capacidade reprodutiva de polinizadores de espécies arbóreas pode ser afetada com a retirada de látex e das cascas de plantas como a jannaguba e o barbatio. O estudo recomenda o uso de margens dos rios para apoiar os polinizadores e melhorar a variedade da paisagem em áreas ribeirinhas aumentando a diversidade e a conectividade dos recursos da flora e fauna.

Os especialistas na área ambiental pretendem chamar a atenção para o papel e os benefícios dos polinizadores que dependem da floresta. Para a FAO, estes recursos são essenciais por abrigar abelhas selvagens, morcegos, borboletas e outros polinizadores que protegem os ecossistemas, a biodiversidade,e a produção agrícola e a segurança alimentar. Segundo eles, as mudanças no uso da terra e as práticas de gestão deste recurso podem modificar, dividir ou degradar habitats dos polinizadores. Para eles, os polinizadores selvagens fornecem importantes serviços às plantas que não podem ser substituídos por abelhas manejadas.

A FAO acredita que os prejuízos que podem ser causados aos polinizadores incluem a diminuição da população. As mudanças climáticas podem afetar os polinizadores de porte maior, como revela um estudo sobre morcegos que alerta sobre uma possível redução de 28% no Brasil, o que teria grande impacto em plantas polinizadas por essa espécie.

1 comentário

Deixe uma resposta