Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueInternacional

Novo naufrágio na costa do Marrocos deixa ao menos 44 imigrantes mortos

Ilhas Canárias lidam constantemente com resgate de imigrantes vítimas de naufrágio EFE

Entre as vítimas estão mulheres e crianças, que teriam morrido afogadas após barco em que estavam afundar na costa de Tarfaya

 

Pelo menos 44 imigrantes, incluindo mulheres e bebês, morreram afogados após o naufrágio da embarcação em que estavam, na costa de Tarfaya, no sul do Marrocos, informou neste sábado (12) a ONG espanhola Caminando Fronteras. Segundo a instituição, 61 pessoas estariam a bordo do bote inflável, que se dirigia ao arquipélago espanhol das ilhas Canárias.

O arquipélago está localizado a cerca de 100 quilômetros de Tarfaya, e tem lidado com diversos naufrágios desse tipo, que envolve pessoas desesperadas para encontrar um novo local para viver.

As autoridades marroquinas ainda não confirmaram as informações sobre as mortes em Tarfaya. Mas as vítimas incluiriam “três mulheres e dois bebês”, cujos corpos estão no necrotério de El Aaiún, a principal cidade do Saara Ocidental, especificou a ONG em um post publicado no Twitter neste sábado.

A Caminando Fronteras publica informações com base nos testemunhos de sobreviventes ou familiares de migrantes.

Naufrágios recorrentes

Em 16 de janeiro, 43 imigrantes, incluindo 3 bebês e 14 mulheres, a maioria da África Subsaariana, também morreram durante um naufrágio em Tarfaya, segundo a associação espanhola.

O Marrocos, no noroeste da África, é um país de trânsito para muitos imigrantes que tentam chegar à Europa a partir do Atlântico ou do Mediterrâneo.

Em 2021, 4.404 imigrantes morreram ou desapareceram tentando chegar à Espanha, o dobro de 2020, segundo a ONG. Foi o pior saldo desde 2015.

Em 2021, mais de 40.000 imigrantes, a maioria do Marrocos, chegaram à Espanha por via marítima, tanto pela península como pelas ilhas Canárias e pelo arquipélago das Baleares, segundo o Ministério do Interior espanhol.

 

 

 Por AFP

Deixe um comentário