Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueGeral

Isosa tem aposentadoria cancelada ao ser dada como morta. Entenda o caso

Foto: Wanda Alves/Arquivo Pessoal

Wanda Alves,  de 72 anos, passou por uma situação complicada. A idosa teve o CPF registrado como se ela tivesse morrido, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Tudo aconteceu porque o  número do documento dela foi colocado por engano na certidão de óbito do ex-marido. O que fez com a idosa deixasse de receber a aposentadoria em novembro. Para resolver a situação ela precisou provar que está viva. Wanda  se casou em 1969 e se separou em 1986. Desde então, não teve muito contato com o ex-marido, que faleceu no início de outubro desde ano. O registro foi feito em um cartório da cidade usando como base a segunda via do RG apresentado pela família dele. Com o CPF registrado em uma certidão de óbito, a mulher teve a aposentadoria cancelada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em novembro. “Eu estranhei não ter recebido, liguei no INSS e eles me informaram que eu estava dada como morta. E só aí eu fui descobrindo toda história”, contou.

O Cartório Del Fiaco, onde foi feito o registro de óbito do ex-marido de Wanda, disse que a família do homem apresentou a segunda via do RG, na qual constava o CPF da aposentada. Foi verificado, então, junto à Receita Federal, que o número do CPF que estava no documento dele pertencia realmente à ex-mulher.

“Nesse momento, o cartório adotou todas as medidas possíveis para corrigir o erro decorrente da documentação que nos foi apresentada pelos familiares do falecido, tendo sido feita a retificação da certidão de óbito”, disse o cartório em nota.

Além disso, a tabeliã responsável pelo cartório disse que ajudou Wanda a abrir um procedimento junto ao INSS para reativar o benefício.

O INSS informou que foi confirmado o erro, que no dia 4 de novembro “foi solicitada a reativação do benefício”, e que a situação está em fase de análise. O prazo para a conclusão é de até 45 dias.

A assessoria do Instituto de Identificação, responsável pela emissão do RG, informou que não foi encontrado nenhum número de CPF no sistema Goiás Biométrico e nem no documento físico em que foram coletas as impressões digitais. Assim, não é possível determinar de que forma o número do CPF de Wanda foi colocado no RG que era usado pelo ex-marido dela.

Diante de toda essa situação, Wanda disse que está com dificuldade de pagar todas as contas, já que teve a aposentadoria cortada.

“Teve um mês que uma amiga me emprestou um dinheiro para pagar minhas contas, comprar os remédios. Esse mês vou precisar pedir para alguém novamente”,lamentou a aposentada.

 

 

Da Redação do Click News
Mariana
the authorMariana

Deixe um comentário