Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaquePolícia

Homem é preso em GO suspeito de liderar grupo que aplicou ‘golpe do novo número’ em juízes e promotores de SE

Polícia Civil prendeu em Goiás suspeito de liderar grupo que aplicou golpes do novo número em autoridades de Sergipe — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Polícia Civil estima que vítimas tiveram prejuízos de R$ 40 mil. Apenas uma delas transferiu R$ 10 mil para contas indicadas pelos suspeitos.

A Polícia Civil de Goiás e de Sergipe prenderam um homem em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia, como suspeito de liderar um grupo que aplicou “golpes do novo número” em autoridades de Sergipe, entre elas desembargadores, juízes, promotores de Justiça, médicos e empresários.

O nome do suspeito não foi divulgado. Por isso, o g1 não localizou a defesa para se manifestar até a última atualização desta reportagem.

A delegada de Repressão a Crimes Cibernéticos de Sergipe, Lauana Guedes, estima que as vítimas tiveram prejuízos de R$ 40 mil. Apenas uma delas transferiu R$ 10 mil para contas indicadas pelos suspeitos.

O suspeito ficou em silêncio durante o depoimento e, por isso, a polícia ainda investiga como o grupo conseguiu ter acesso aos contatos dos celulares das autoridades.

“O preso era o líder da associação criminosa. Ele ficava como espécie de mentor e planejava os golpes. Eles fizeram cerca de 30 vítimas em Aracaju”, comentou a delegada.

O dinheiro enviado pelas vítimas não foi recuperado e provavelmente não será, segundo a delegada, porque os golpistas sacam os valores com rapidez, assim que caem nas contas.

A investigação começou em setembro de 2020. “Descobrimos que o grupo ficava em Goiás e pedimos mandados de prisão e de busca e apreensão”, disse a delegada.

Polícia Civil prende em Goiás suspeito de liderar grupo que aplicou golpe do novo número em autoridades de Sergipe — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Polícia Civil prende em Goiás suspeito de liderar grupo que aplicou golpe do novo número em autoridades de Sergipe — Foto: Reprodução/Polícia Civil

 

 

Por Rafael Oliveira, g1 Goiás

Deixe um comentário