Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueSaúde

Hemu adere ao Junho Lilás e reforça a importância do Teste do Pezinho

O método é indispensável para detectar doenças genéticas, endocrinológicas e metabólicas, devendo ser feito, preferencialmente, entre o 3º e o 5º dia de vida .

Instituído pela União Nacional dos Serviços de Referência em Triagem Neonatal (UNISERT), a campanha Junho Lilás tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância do Teste do Pezinho, cujo dia nacional é comemorado em 6 de junho. O Hospital Estadual da Mulher (Hemu) lembra que o exame é gratuito e obrigatório por lei, desde 1992.

A importância da triagem neonatal é tanta que, no ano passado, foi sancionada a Lei Nº 14.154/2021, que ampliou a capacidade de testagem no Sistema Único de Saúde (SUS). A Lei que entrou em vigor no final de maio deste ano, deve realizar essa ampliação em cinco etapas, visto que a mudança exige equipamentos de tecnologia avançada e profissionais capacitados.

Com isso, o exame oferecido na rede pública aumenta o rol mínimo de seis para 50 doenças. Até então, ele abrange o rastreamento da fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, síndromes falciformes, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase. Na etapa 1 será adicionada às atuais doenças o diagnóstico da toxoplasmose congênita.

O Teste do Pezinho é realizado a partir do sangue coletado do pé do recém-nascido, por uma pequena picada no calcanhar. O resultado, geralmente, é entregue em 10 dias. Anualmente, uma média de 2,4 milhões de recém-nascidos são triados no programa, segundo o Ministério da Saúde. No Hemu, são realizados, em média, cerca de 350 testes, por mês.

Com a pandemia, o Hemu implantou nova dinâmica de realização do teste do pezinho, Desde 2020,. o teste em recém-nascidos internados é feito logo após as primeiras 48 horas do nascimento, na hora da alta hospitalar. “A mudança oferece mais comodidade às mães, que não precisam se deslocar de suas casas para o filho fazer o exame, além de segurança para os bebês, que nos primeiros dias de vida são mais suscetíveis a contrair doenças”, afirma Ronaldo Moura, pediatra da unidade.

O médico orienta ainda que, se por algum motivo especial, o exame não puder ser realizado no período recomendado, deve ser feito em até 30 dias após o nascimento. “A coleta tardia pode impedir que a suspeita e o diagnóstico sejam feitos no tempo correto e atrasar as intervenções e tratamentos específicos”, destaca o pediatra.

 

 

Colaborou, Marilane Correntino

Deixe um comentário