Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaquePrefeitura de GoiâniaSaúde

Central de Fiscalização autua 70 pessoas em festa clandestina na capital

Fiscais da Prefeitura de Goiânia em ação

Em dois dias, operação já fiscalizou 45 estabelecimentos, entre bares e restaurantes

 

Após a publicação do Decreto 1601/21, que entrou em vigor na quinta-feira (25/02), a Central de Fiscalização Covid-19 já realizou, até a noite desta sexta (26/02), 45 fiscalizações em bares e restaurantes, além de festas clandestinas. O objetivo das operações é garantir o cumprimento das medidas estabelecidas pelo documento, especialmente após o avanço dos casos na capital.

Os locais foram fiscalizados pela Central após denúncias da população e também por terem sido autuados recentemente. Apenas cinco estabelecimentos precisaram ser fechados. Outros 18 estabelecimentos funcionavam dentro do horário permitido e cumpriam todos os protocolos. Os demais locais visitados também obedeceram à determinação de fechamento às 22h.

Na operação, chamou a atenção uma festa clandestina que acontecia em uma chácara na Estrada Velha, saída para Bela Vista. Nela, 70 pessoas não usavam máscara e foram autuadas pela Guarda Civil Metropolitana (GCM), com multas no valor de R$ 110.

A Polícia Militar e a GCM, que também compõem a Central de Fiscalização, fizeram patrulhamento em diversas regiões da cidade verificando que, de modo geral, os empresários estão aderindo ao que preconiza o Decreto Municipal, favorecendo o controle da pandemia.

A fiscalização continuará neste sábado e domingo e nos dias subsequentes. Denúncias podem ser feitas pelo aplicativo Prefeitura 24h. Vale lembrar que a multa para estabelecimentos que descumprirem os protocolos é de R$ 4908,30.

Fiscalização na região da 44

Na tarde de quinta-feira (25/02), equipes da Central fiscalizaram a região da 44, cujo horário de funcionamento foi alterado para 7 horas às 15 horas com o Decreto. Lá, também foi feita a testagem ampliada, na qual 16,71% dos casos foram positivos, a maior porcentagem desde o pico da pandemia.

 

Por Luciana Gomides, editoria de Saúde

Deixe um comentário