Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueMundo

Após manobras da Rússia e risco de “guerra mundial”, Biden pede que americanos deixem Ucrânia

© Sergey BOBOK AFP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta quinta-feira (10) aos cidadãos americanos que deixem imediatamente a Ucrânia, diante da ameaça de uma invasão russa. O país iniciou manobras militares conjuntas com o vizinho Belarus, apesar dos esforços diplomáticos dos europeus para diminuir a tensão entre os dois países.

“Os cidadãos americanos devem sair agora. As coisas podem acelerar rapidamente”, declarou Biden durante uma entrevista para a rede NBC News, alertando sobre a força do exército russo, que tem mais de 100.000 soldados posicionados na fronteira ucraniana.

Biden descartou novamente o envio de soldados à Ucrânia, nem que seja para ajudar a evacuar os cidadãos americanos em caso de invasão. Isso seria “uma guerra mundial. Quando os americanos e os russos começam a atirar uns nos outros, entramos em um contexto bem diferente daquele que estamos vivendo agora”, afirmou Biden.

A entrevista foi ao ar após o início de importantes manobras conjuntas entre os exércitos russo e bielorrusso na fronteira com a Ucrânia, diminuindo as esperanças de um apaziguamento das tensões após semanas de intensos esforços diplomáticos na Europa.

Os exercícios, concentrados principalmente na região bielorrussa de Brest, na fronteira com a Ucrânia, envolvem o envio de mísseis e armamento pesado e, segundo os Estados Unidos, de 30.000 soldados russos adicionais.

A Otan garantiu que o envio de mísseis, armamento pesado e soldados armados para Belarus, situado no norte da Ucrânia, era “perigoso para a segurança da Europa”, que vive seu momento de maior tensão desde a Guerra Fria. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou Moscou de exercer uma “pressão psicológica” sobre a ex-república soviética.

Manobras defensivas, segundo Moscou 

Os líderes europeus estavam envolvidos nas últimas semanas em um “balé” diplomático na tentativa de evitar um conflito armado, incluindo visitas a Moscou do presidente da França, Emmanuel Macron, e do chanceler alemão, Olaf Scholz.

O mandatário alemão se reuniu com líderes dos países bálticos nesta quinta-feira (10) e alertou a Rússia para “não subestimar a união e a determinação do país como membro da União Europeia e aliando da Otan”.

O chefe do Estado-Maior dos EUA, general Mark Milley, disse que queria evitar “incidentes desagradáveis” no início das manobras militares, e conversou por telefone com o colega bielorrusso, general Victor Goulevitch.

O ministro da Defesa russo insistiu que os exercícios focariam em “suprimir e afastar agressões externas” e o Kremlin prometeu que as tropas serão repatriadas no fim das manobras, que terminam em 20 de fevereiro. A Rússia também enviou seis navios de guerra através do Bósforo para a realização de exercícios navais no mar Negro e no mar de Azov.

Sanções econômicas

Diante da indignação europeia, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, classificou de “incompreensível” a preocupação com os exercícios militares e alertou que “ultimatos e ameaças não levam a lugar algum”.

Lavrov recebeu em Moscou a chanceler britânica, Liz Truss, que pediu a retirada das tropas russas da fronteira com a Ucrânia. A ofensiva diplomática de Londres foi completada pela visita do primeiro-ministro Boris Johnson à Otan e Polônia.

A Rússia é acusada de estar disposta a executar uma nova operação militar contra a Ucrânia, após a anexação da Crimeia em 2014. O Kremlin nega qualquer intenção militar e afirma que busca garantir sua segurança diante do que considera um comportamento hostil de Kiev e da Otan.

 

POR RFI – (Com informações da AFP)

Deixe um comentário