Latest Posts

- Advertisement -
Click News

Latest Tweets

DestaqueGeral

Alego inicia debate sobre pdrojeto que trata de isenção de ICMS

Foto: Jornal Hora Extra

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) deu inicio a discussão do projeto de lei nº 313/22, de autoria da Governadoria, que trata de três convênios sobre isenção de Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS). A finalidade é alterar o Anexo IX do Decreto nº 4.852 (Regulamento do Código Tributário do Estado de Goiás – RCTEL), de 29 de dezembro de 1997.

“Os Convênios ICMS nº 75/21, nº 98/21 e nº 104/21 alteraram, respectivamente, o Convênio ICMS nº 1/99, que concede isenção do ICMS às operações com equipamentos e insumos destinados à prestação de serviços de saúde, o Convênio ICMS nº 140/2001, que concede isenção do ICMS nas operações com medicamentos, e o Convênio ICMS nº 100/97, que reduz a base de cálculo do ICMS nas saídas dos insumos agropecuários especificados. O objetivo é, precisamente, agregar à legislação estadual os referenciados convênios, celebrados entre os estados e o Distrito Federal no âmbito do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz)”, coloca o governador Ronaldo Caiado (União Brasil), em sua justificativa.

O governador ressalta que por meio da Recomendação nº 1/2019, o Ministério Público de Contas do Estado de Goiás (MPTCE-GO) afirma sobre a necessidade de autorização legislativa para validar a concessão, a ampliação ou a prorrogação de incentivos ou benefícios fiscais do ICMS aprovados em convênios celebrados no âmbito do Confaz. Por sua vez, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) informou a compatibilidade jurídica da proposta com o ordenamento constitucional e legal vigente. No que se refere à forma, a PGE recomendou a edição de decreto legislativo para incorporar à legislação tributária estadual as disposições autorizativas dos convênios objeto deste ofício.

“Destaco que, quanto ao cumprimento do disposto no art. 14 da Lei Complementar nº 101 (Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF), de 4 de maio de 2000, a titular da Secretaria de Estado da Economia informa que a renúncia de receita decorrente da prorrogação dos benefícios não afetará as metas de resultados fiscais. Isso decorre de ela estar baseada na série temporal da arrecadação dos três últimos anos anteriores ao da prorrogação do incentivo, portanto, os benefícios fiscais a serem prorrogados compunham a referida série temporal”, destaca Caiado.

Ao concluir a justificativa, Caiado escreve que, nesse contexto, acolhe a recomendação do MPTCE/GO, a orientação da Procuradoria-Geral do Estado e a exposição de motivos da Secretaria de Estado da Economia, com suas respectivas cópias em anexo. “Desse modo, diante da possibilidade de edição de decreto legislativo para conferir aplicabilidade local aos convênios celebrados no âmbito do Confaz, em obediência ao princípio da legalidade, submeto a matéria à discussão e à deliberação dessa Casa de Leis.”

 

 

Da Redação do Click News e
Agência Assembleia de Notícias
Mariana
the authorMariana

Deixe um comentário